15 outubro, 2006

...é hora de brincar...

é hora de alegria.


Transformer 2
da série de stickers que estou produzindo para instalar em lugares específicos da cidade onde estou.

03 setembro, 2006

um dia tudo pode......

...e se um dia a lua explodir, e caírem fagulhas na sua rua?
...e se um dia o The Cure tocasse no seu quarto?
...e se um dia o boomerang não voltar?

Ah, eu não tenho mais boomerang!




destruindo a boataria com: XTrobo - the beautiful people [as peçoa bunita re-cover]

29 agosto, 2006

sobreposição de realidades...

O avião decola.
Só Deus sabe o esforço que fiz para chegar até aqui.
Tento me esquecer da pressão de estar aqui. E um shopping center, com muitas escadas rolantes e espaço livre, se materializa na minha frente.
Mas me lembro de onde estou e vejo que, mesmo querendo já ter chegado ao meu destino, estava ainda sobrevoando estradas rodoviárias daqui.
E, depois de todo a energia desprendida para esta ação, sou informado que a viagem foi cancelada.

F.Y.I., as bijoux podem agora ser compradas diretamente na loja do Ricardo e do Hugo, em São Paulo.
Nova coleção à caminho!

22 julho, 2006

nojo...

Juro que está escrito isso no pote de pickles [da marca Hemmer] que comprei desavisadamente:

"Eventualmente poderão ser encontrados pepinos com broca.
Nesse caso, descarte e consuma o restante."



Écaaaaa!!!!

12 julho, 2006

deliberante.....

Sentado à sombra de uma escultura de bonsai,
à beira de um abismo,
scanneio um horizonte marinho,
poro por poro.

O que é real e o que é criação da minha mente?





nanquim e pastel seco sobre papel craft.
40 x 26 cm

05 junho, 2006

desenho de rua.....



foto [renderizada em photoshop] da rua em frente à minha janela.



ouvindo: "maria alcina - fio maravilha"

25 maio, 2006

por um viver mais absurdo....

Desejo obsessivamente o poder de me multiplicar, t[s]er uns vários de mim mesmo, todos com consciências independentes, reversíveis para sobreposição de consciencia coletiva.
Um trabalharia pra sustentar a turma (dando aulas), outro ficaria para ajudar minha mãe, outro pra fazer o baby-sitting do meu sobrinho fofofofofofo, outro pra visitar amigos em São Paulo e onde quer que eles estejam, outro pra fazer limpeza do ap. e compras de supermercado, outro pra redecorar meu espaço, outro pra procurar trabalhos e bicos em geral, outro pra vender meus trabalhos, outro para compor e tocar peças musicais experimentais e digitais, outro pra agenciar esse músico temperamental, outro pra fugir da febre da copa, outro pra namorar, outro pra trair, outro pra ser webmaster, outro pra ser chef de cousine new fusion, outro pra assistir TV à cabo, atender telefone, responder emails e blogar, ...
eu mesmo, em si, ficaria apenas com as ternas atividades do fazer artístico, de dormir, e de sonhar!

19 maio, 2006

doses


nanquim, aquarela e grafite sobre papel fabriano.
60 x 40 cm.



No butô, quando um movimento começa a se construir, a se estruturar como linguagem, ele se desfaz.

*******

"Quem olha pra fora, sonha.
Quem olha pra dentro, desperta."
(C. G. Jung)
...resta refletir qual a porcentagem ideal dessas duas porções da realidade.

*******

Um garoto superdotado realiza uma entrevista para admissão em uma escola americana, essas ligadas a universidades, com um programa especial para crianças com q.i. acima da média.
O entrevistador pergunta a ele qual será, na sua opinião, a próxima grande revolução da humanidade.
Ele comenta que poderia ser o teletransporte, mas sua construção é bastante inviável. Portanto, ele acredita que a próxima revolução estará relacionada com novas percepções e apropriações do tempo e do espaço.
Mas ele coloca de forma muito teórica e conceitual, e sua mãe, que acompanhava a entrevista ao seu lado, lhe pede esclarecimentos.
Por exemplo, se uma formiga tiver que andar por uma linha, ela tem que partir de um ponto no espaço para chegar a outro, e este percorrer do espaço está ligado a um intervalo de tempo. Se dobrarmos esta linha, ligando o começo com o fim, fazendo um círculo, a formiga só precisa dar um pulo para ir do ponto inicial para o ponto final.

*******




ouvindo: harmar superstar - power lunch

13 maio, 2006

ao redor do weekend......



e pensar que a única coisa a se esperar do fim de semana é assistir Robot Chicken de madrugada...


com os dedos sujos de giz pastel seco: autechre - melve

09 maio, 2006

fruições estéticas....

Acordo e sonho com meus desenhos, os em A4, plotados em papel tamanho 95 x 65 cm.
Ainda preciso retocá-los.

Termino o dia sentado diante de uma litogravura numerada e assinada por Renina Katz.
Orpheu.
Quase choro...
e ela estava escondida num canto... meu sentido extra-sensorial-sei-lá-o-que me guiou até ela.


Renina Katz, década de 1970.



ouvindo: easy star alls-stars - on the run

28 abril, 2006

claustro


nanquim e ecoline sobre papel fabriano
60x40 cm

freakin' out com: Imogen Heap - loose ends

19 abril, 2006

ausência



nanquim, ecoline, grafite e caneta esferográfica sobre canson.
40x60cm





...and, if u wanna know, i'm listening to: John Cage - 4'33"






.

18 março, 2006

'cyber-brinquedos duram a estação inteira'













Este é o styling [editorial de moda] que apresentei no 2o. concurso Novos Talentos da Moda - Casa de Criadores. Foi em 2003, e eu fiquei em segundo lugar.
O conceito se resume na virtualização das atuais experiências humanas.
Virtualização que pode ser traduzida na simulação do corpo humano, ou ainda, nas bonecas de R$ 1,99.
As roupas utilizadas nas bonecas são também simulações, só que de possíveis tecidos tecnológicos, resultados de experiências com nanotecnologia.


batendo cabeça com: LCD Sound System - Movement

17 março, 2006

15 março, 2006

achados e perdidos .................




Coisas que eu gostaria de ter gravado quando assisti, mas bobeei (e agora me arrependo):

- Yeah Yeah Yeahs tocando 'Maps' ao vivo em um VMA da MTV;
- Air tocando 'Kelly watch the stars' e 'Sexy boy', ao vivo, no (later with) Jools Holland;
- Gwen Stefani tocando 'Hollaback girl' no Saturday Night Live;
- The Go! Team tocando 'Ladyflash' no Top of the Pops;
- Björk espancando uma repórter no desembarque em um aeroporto da Ásia;
- clipe 'loca pos ti [mulher tombada]' da Karine Alexandrino;
- clipe 'aquelas', do Pajubá;
- Sala Especial tocando ao vivo no programa UltraSom, da MTV (um antepassado do 'banda antes'), que era apresentado pelo Edgard;

Se algum amigo com conexão decente achar um desses vídeos, baixe e me dê de presente. A-GO-RA!!!


ouvindo: trash palace - the metric system

12 março, 2006

cyber chico bento..........



Alguém já viu essa fruta?
A princípio, achei que fosse uma espécie estranha de goiaba, já que a folha era diferente da goiabeira. Mas soube que era um híbrido de goiaba com laranja.
Sei que é muito lôca, mas o sabor é ótimo: um pouco de laranja, um pouco de goiaba, um pouco de gabiroba.
A textura da casca lembra a do jambo, só que mais macia. As sementes são como as da goiaba: infelizmente duras.
E fiquei pensando no possível nome pra essa fruta:
- goiaranja?
- laranjoiaba?
- goiabiroba?
- gabiroiaba?
Fato é que se trata de um híbrido. Um 'tão contemporâneo quanto é possível' híbrido. Isso me chamou a atenção por ter pesquisado essa tendência contemporânea: o hibridismo, que se desdobra das mais diversas formas e conteúdos no nosso cotidiano atual.
Exemplos:
1. seu celular, que é também um mp3 player, um relógio, uma agenda, TV digital, câmera fotográfica, etc;
2. seu quarto, que pode ser seu espaço de trabalho, de dormir, de refletir, de fazer sexo, de ouvir música, de ler, etc;
3. seu PC, que é uma estação de trabalho e hoje, conectado à web, abriga diversas funções: edição, produção e reprodução de imagens e sons, comunicação, divertimento, pesquisa, etc.

Essa possibilidade de abrigar diferentes funções em um mesmo objeto/espaço/organismo/etc, chega das mais diversas formas até nós. Ainda que seja através de uma frutinha maluca.
Olha esse textinho que usei como citação na minha dissertação:

A quimera, animal mitológico, híbrido e impossível, com corpo de cabra, cabeça de leão e cauda de dragão, tornou-se real. Desde 1973, apesar das propostas efêmeras de moratória, vêm sendo criados novos organismos vivos com genes recombinados, destinados não só a servirem de alimentos. A guerra biológica foi uma das fronteiras de vanguarda na pesquisa de novas ou velhas doenças e de toxinas geneticamente manipuladas, mas as mais rentáveis aplicações dos organismos transgênicos foram as industriais, como no uso de bactérias transformadas para produzir insulina, interferon e hormônio do crescimento humano.
(Carneiro, H. S. Não sabemos o que comemos. In: Revista Ciência Hoje 203. Rio de Janeiro, abr. 2004.)




E por falar nisso, o que foi aquele barbarismo de destruição de um laboratório de pesquisas, no dia internacional da mulher?? Discosting!!!
Fica aqui meu protesto!

ouvindo: too many djs - skeelo vs survivor vs breeders

10 março, 2006

o número 3, ou page down.................



Andando pela rua, achei uma tecla jogada na sarjeta. Peguei, e fiquei pensando em sinais que aparecem do nada, como esse número 3, e que podem ter algum sentido não direto.
Mas isso não é fato raro na minha vida. Vivo pegando coisas jogadas na rua, de gravetos à placas de computador.
Me senti novamente como Marcovaldo, personagem do livro homônimo do Ítalo Calvino.
Também não pode ser descartada a grande influência de Lost sobre atividades do inconsciente. Hoje ela me mandou um link de um blog (comentários em série) que tem um post gigantesco sobre teorias à repeito de Lost.
A cabeça fritou.


ouvindo: dj hooligan - a question of love

03 março, 2006

paranoid android


ciclope
assemblagem com Lego

Imagens que emergem (do meu inconsciente, pra ser mais legível):

monstros
. nosferatu + corcunda de notredame, sob um capuz, no escuro, com olhos de luz vermelha;
. híbridos, com estrutura baseada na anatomia humana.



... e se eu fosse você, eu veria isso ...


re-ouvindo: rockwell - somebody's watching me

02 março, 2006

avant première...............



Hoje é a estréia da peça amor, meu grande amor**, do diretor Renato Andrade.
Este trabalho foi uma reunião de várias pessoas próximas:
. trechos do blog de hunnybunny;
. figurinos do ricardo;
. trilha sonora do cristiano;
. imagens minhas (mais especificamente, a boneca de pano do flyer, imagem já postada neste blog!)

Sei que hunnybunny está lá pra ver. Com um humor suicida, segundo dados recentes de seu blog.
E adivinha por que eu não fui???
A situação financeira está tão brava que minha mãe está em desespero. E não sei o que acontece neste ponto, porque nunca passamos por isso. Não desta forma.

ouvindo: infadels - jagger '67 (wall of sound) - eraserhead mix


** de 02 de março até 04 de maio
quintas às 21h30
espaço dos Satyros
Praça Roosevelt, Consolação, SP.

12 fevereiro, 2006

top of the 'not so much' pops (summer edition)

1. magic numbers - forever lost
2. arcade fire - maps
3. malvina reynolds - little boxes
4. vitalic - wooo
5. kings of leon - king of the rodeo

11 fevereiro, 2006

prós e contras

5 Motivos para NÃO escrever um blog:

1. todo mundo tem um blog hoje;
2. muitas pessoas que conheço não teriam o mínimo interesse em ler;
3. possibilidade forte de construção de uma imagem sombria, já que as motivações para escrever nascem da angústia de não conseguir lidar com momentos ruins, imutáveis quando no pretérito;
4. conexão dial-up, uma barreira ao acesso de informações com velocidade e qualidade;
5. a ansiedade por uma resposta, que pode não vir.

5 Motivos para escrever um blog:

1. todo mundo tem um blog hoje;
2. possibilidade de construção de um espaço onde pensamentos podem ser organizados em imagens, descritivas ou não;
2.2. como prefiro lidar com imagens pictóricas, tenho dificuldade com a palavra escrita. Mas a coleção de textos da Rosângela Rennó, onde são construídas imagens fotográficas através da palavra escrita, me fez repensar, ampliar o entendimento das potencialidades da construção de imagens através de textos;
3. tentativa de inserção social;
4. registrar pensamentos que se perderiam, ou se canalizariam de formas não controláveis;
5. possibilidade de mudar o mundo.


09 fevereiro, 2006

afogando em imagens

Nada de interessante na minha TV esses dias.
Ainda com síndrome de abstinência do Project Runway, dou uma olhadinha no American Idol, enquanto tá na fase inicial (pq depois começa a ficar chaaato). Às vezes dou uma arejada na cabeça na faixa das 5 da MTV, com aqueles dois adolescentes tontinhos chapando o coco, ou fingindo...
Perigo nesses tempos de tonteria é gostar de Lost... até agora não consegui prestar atenção direito, no AXN nunca consegui assistir. Mas aquela aparição de um MiB no meio do mato (!) me despertou a curiosidade.

Vi hoje no ReCorte um projeto de música experimental chamado Chelpa Ferro, onde três artistas plásticos buscam novas formas de produção musical, construindo instrumentos-esculturas. Um dos artistas plásticos é o Luiz Zerbini.

Imagens que emergem:
. elefantes subindo a avenida;
. pés de milho de 3m de altura;
. muleque encapetado pingando da luz do poste.

11 janeiro, 2006

2006 - inícios e ciclos



Acidente.
(Do latim accidens).
Fato acidental;
acontecimento casual; acaso;
disposição variada do terreno;
desastre, desgraça;
peripécia;
acesso repentino de doença;
vertigem, síncope;
(música) sinal que indica alteração no tom das notas;
(gramática) flexão: acidente de gênero, de pessoa.

Nos últimos tempos me deparo com uma certa constância de acontecimentos acidentais.
Fatos que se instalam na minha vida de forma irreversível.
E não existem alternativas: tenho que incorporar os acidentes ao meu cotidiano.
Isso se desdobra em confusão mental e apatia.
Mas além disso, se desdobra nos temas que tenho trabalhado em uma pretensa produção artística. Aquarelas, onde o gesto é incontrolável, e desenhos, são concebidos nesse intervalo. Como uma forma de representar acontecimentos acidentais, mas sem o respeito dogmático pelo fato.
Ao invés disso, experimento formas de reparar o acidente, de trazê-lo para meu universo e ressemantizá-lo em beleza e verdade.
Esse desejo de interpretar e ressemantizar o acidente pode responder pelas angústias que a vivência real, em contraposição com a experiência artística - virtual por natureza -, me proporciona fartamente.

Tento projetar caminhos, mas eles insistem em se materializar com portais de fechaduras herméticas.
Hermetismo que, infelizmente, é rebatido em minha personalidade.

Não sou eclético. Sou ansioso.