11 janeiro, 2006

2006 - inícios e ciclos



Acidente.
(Do latim accidens).
Fato acidental;
acontecimento casual; acaso;
disposição variada do terreno;
desastre, desgraça;
peripécia;
acesso repentino de doença;
vertigem, síncope;
(música) sinal que indica alteração no tom das notas;
(gramática) flexão: acidente de gênero, de pessoa.

Nos últimos tempos me deparo com uma certa constância de acontecimentos acidentais.
Fatos que se instalam na minha vida de forma irreversível.
E não existem alternativas: tenho que incorporar os acidentes ao meu cotidiano.
Isso se desdobra em confusão mental e apatia.
Mas além disso, se desdobra nos temas que tenho trabalhado em uma pretensa produção artística. Aquarelas, onde o gesto é incontrolável, e desenhos, são concebidos nesse intervalo. Como uma forma de representar acontecimentos acidentais, mas sem o respeito dogmático pelo fato.
Ao invés disso, experimento formas de reparar o acidente, de trazê-lo para meu universo e ressemantizá-lo em beleza e verdade.
Esse desejo de interpretar e ressemantizar o acidente pode responder pelas angústias que a vivência real, em contraposição com a experiência artística - virtual por natureza -, me proporciona fartamente.

Tento projetar caminhos, mas eles insistem em se materializar com portais de fechaduras herméticas.
Hermetismo que, infelizmente, é rebatido em minha personalidade.

Não sou eclético. Sou ansioso.